Notícias

24-Fev-2019 10:31
DATA-BASE

Trabalhadores em transportes irão lutar por salário, direitos e empregos

Data-base da categoria é 1º de maio e Sindicato dos Rodoviários quer iniciar negociações com as empresas em março

2019, imprensa, Fabiana Caramez
Por unanimidade, trabalhadores(as) aprovam a pauta de reivindicações da campanha salarial 2019Fabiana Caramez

Os trabalhadores e as trabalhadoras em transportes urbano, intermunicipal, rodoviário, de fretamento e de cargas, das regiões de Sorocaba, São Roque, Itapetininga e Itapeva, reunidos em assembleias nos dias 22, 23 e 24 de fevereiro, aprovaram como principais reivindicações desta campanha salarial o reajuste nos salários e benefícios, a defesa dos direitos já conquistados pela categoria e dos empregos.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba Região Paulo João Estausia, Paulinho, ressaltou a necessidade extrema da categoria seguir unida e organizada nesta campanha salarial para se defender dos ataques empresariais e governamentais.

“Estamos iniciando a campanha salarial no pior cenário econômico e político das últimas décadas. É ataque de tudo quanto é lado aos direitos trabalhistas e à carteira assinada. A ‘reforma’ trabalhistas já está fazendo estragos e não resolveu o problema do desemprego que só cresce. Além disso, infelizmente, o povo elegeu para presidente o candidato dos empresários, que falou durante toda a campanha eleitoral que era preciso diminuir direitos trabalhistas e agora está colocando em prática sua política de fim do emprego com carteira assinada”, explicou Paulinho.

O presidente do Sindicato completou “hoje nosso principal desafio é não perder direitos. Os empresários não vêm para a mesa falando ‘não dá para aumentar os salários’, agora o discurso é ‘não dá para pagar esses direitos, tem que cortar’. Como vocês podem ver, nossos desafios são grandes. Por isso, companheiros e companheiras, não podemos nos acovardar. Vamos ter que ampliar nossa organização e vamos lutar para conquistar aumento salarial, impedir a perda de direitos e avançar!”

A data-base da categoria é 1º de maio e a reivindicação de reajuste salarial é a reposição da inflação segundo o IGP-M/FGV (Índice Geral de Preços do Mercado da Fundação Getúlio Vargas) do período de 1º de maio de 2018 a 30 de abril de 2019 mais aumento de 3% nos salários.

Fim do Ministério do Trabalho

O vice-presidente do Sindicato Francisco França explicou aos trabalhadores(as) que o fim do Ministério do Trabalho e Emprego, uma das primeiras ações do governo Jair Bolsonaro (PSL), e as mudanças nas leis trabalhistas via ‘reforma’ trabalhista e decisões do STF (Supremo Tribunal Federal) já causam problemas à categoria na campanha salarial.

“Nós sempre garantimos que as empresas reconhecessem a nossa data-base, ou seja, que é em 1º de maio que tem que reajustar os salários, por meio de mesas redondas no Ministério do Trabalho. Agora que o Ministério acabou não terá mais essa garantia. Vamos ter que dialogar diretamente com as empresas para elas reconhecerem nossa data-base. E as empresas podem não reconhecer! Daí teremos que lutar primeiro pelo reconhecimento para depois tratarmos a questão do aumento salarial e tudo isso sem o amparo do Ministério. Complicou tudo”, expôs França.

Outro problema que a categoria terá que enfrentar nesta data-base é que os acordos e convenções coletivas, ou seja, os documentos que garantem o pagamento de piso salarial e benefícios, não são mais prorrogados até o fim das negociações da campanha salarial. Agora eles deixam de ter validade no dia 30 de abril e as empresas podem deixar de pagar os benefícios como plano de saúde, PLR, valor do tíquete-refeição.

Unidade, confiança e conscientização

O diretor financeiro do Sindicato Antônio Sérgio Silvana de Moares, A.Sérgio, reforçou a necessidade da categoria estar unida e preparada para os enfrentamentos que estão por vir.

“Não sabemos exatamente o que iremos encontrar pela frente nesta campanha salarial, por isso é importante que os trabalhadores(as) venham para as assembleias, que participem das convocações do Sindicato. Nós precisamos reforçar nossa unidade e participação para conseguirmos manter o que já conquistamos e avançarmos ainda mais”, falou A.Sérgio.

O diretor Adalberto de Souza Carvalho, Dadá, falou à categoria da necessidade de desempenhar um bom trabalho pois a categoria tem responsabilidade perante a sociedade e que a força do Sindicato está na conscientização e participação dos trabalhadores(as).

“Este é um ano atípico, porém estamos acostumados aos enfrentamentos. Nada veio de graça, nada foi dado pelos patrões, nós conquistamos tudo o que temos com muita luta. E esse é o nosso diferencial, o nosso diferencial é que a categoria confia no Sindicato e está sempre pronta para ir à luta!’, afirmou Dadá.

Assembleias em toda a base

O Sindicato dos Rodoviários realizou as assembleias de aprovação da pauta de reivindicações nos dias 22, 23 e 24 de fevereiro nos municípios de Sorocaba, Araçariguama, São Roque, Mairinque, Araçoiaba da Serra, Piedade, Salto de Pirapora, Pilar do Sul, Capela do Alto, Tatuí, Itapetininga, Angatuba, São Miguel Arcanjo, Capão Bonito, Guapiara, Itapeva, Apiaí, Itararé, Coronel Macedo.

Mais de mil trabalhadores e trabalhadoras em transportes urbano, intermunicipal, rodoviário, de fretamento e de cargas participaram das assembleias. As mesas de negociação entre Sindicato dos Rodoviários e as empresas e sindicatos patronais de transportes devem ter início assim que as pautas de reivindicações forem protocoladas nas empresas, o que deve acontecer no início de março.

 

Fabiana Caramez
Deixe seu Recado