Notícias

23-Mai-2018 18:48
GREVE DOS CAMINHONEIROS

STU, CONSOR  e São João informam que ônibus podem parar por falta de diesel

A greve dos caminhoneiros contra a alta no preço do combustível já afeta o abastecimento das empresas de transporte

, Leitor Hudson Fernando/ZNORTE
Ônibus da CONSOR sendo abastecido em posto da avenida Nogueira Padilha, em SorocabaLeitor Hudson Fernando/ZNORTE

As empresas STU e CONSOR, que operam o transporte urbano em Sorocaba, e a empresa São João, que opera o transporte urbano em Votorantim, informaram na tarde desta quarta-feira, 23, que, devido à greve dos caminhoneiros em protesto contra alta no preço do diesel, não estão recebendo combustível para manter em operação o sistema de transporte público nos respectivos municípios.

Em Sorocaba, a Urbes - Trânsito e Transportes, gerenciadora do sistema de transporte urbano no município, emitiu nota à imprensa informando que, caso não ocorra o abastecimento de combustível nas garagens das empresas STU e CONSOR nesta quinta-feira, 23, "o Sistema de Transporte Coletivo, incluindo o Serviço de Transporte Especial, será paralisado totalmente a partir da 0h de sexta-feira (25), por falta de óleo diesel".

Segundo matéria publicada em veículo de comunicação local, ônibus da empresa CONSOR já estavam sendo abastecidos em postos de rua.

Grupo São João

A empresa São João emitiu comunicado à população afirmando que "em caráter emergencial, o serviço de transporte público de Votorantim e das demais cidades atendidas pelo Grupo São João será afetado a partir das 19h desta quarta-feira (22), pois o estoque de óleo diesel na garagem da empresa está baixo e não há previsão de abastecimento por parte das distribuidoras".

Segundo a empresa, haverá um racionamento dos ônibus e será priorizado o atendimento nos horários de pico, das 6h às 8h30min e das 16h30min às 19h, e nos principais corredores que ligam o Centro aos bairros.

Greve dos caminhoneiros

O Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região está acompanhando a situação a fim de garantir a integridade dos trabalhadores em transportes e comunga do posicionamento da CUT (Central Única dos Trabalhadores) de considerar legítima a greve dos caminhoneiros nas estradas de todo o país contra o aumento exorbitante no preço do diesel.

O Sindicato alerta para a necessidade de se compreender o que realmente está acontecendo no Brasil. "A alta nos combustíveis é resultado da política adotada pelo governo golpista, que quer privatizar a Petrobras e decidiu proteger os acionistas da empresa em detrimento do povo brasileiro", afirma o vice-presidente do Sindicato Francisco França.

O governo ilegítimo de Michel Temer (MDB) já entregou parte considerável do pré-sal brasileiro para exploração de empresas estrangeiras, reduziu a produção nas refinarias nacionais e adotou uma política de preços que acompanha a instabilidade do mercado externo.

Além disso, a Operação Lava Jato também contribuiu para suspender as obras de todas as refinarias em construção por meio de suspensões judiciais e demais ações, o que prejudica o refino do petróleo no país, ou seja, prejudica a produção nacional de combustíveis, ampliando nossa dependência do mercado externo.

 "Nós, população brasileira, estamos à mercê das instabilidades internacionais. O que é um absurdo, pois temos petróleo, mas o enviamos bruto para o exterior a preço de banana e importamos os derivados do mesmo petróleo a preço de ouro! Alguém lucra com isso e não é o povo brasileiro!", indigna-se França.

Fabiana Caramez
Deixe seu Recado