Notícias

10-Abr-2018 19:47 - Atualizado em 11/04/2018 13:37
CIDADANIA

Pressão popular derruba projeto de título de cidadão a Bolsonaro

Em Sorocaba, Jair Bolsonaro não é cidadão. Projeto do vereador pastor Luis Santos (PROS) foi retirado da pauta, após manifestações na sessão da Câmara

2018, imprensa, Foguinho/ Imprensa SMetal
Trabalhadores e estudantes mobilizados conseguiram retirar de pauta o projeto que concederia título de cidadão sorocabano a BolsonaroFoguinho/ Imprensa SMetal

Estudantes, trabalhadores, dirigentes sindicais, movimentos de mulheres, negros e LGBT lotaram a galeria da Câmara Municipal de Sorocaba para pressionar os vereadores a votarem contra o projeto de concessão de título de cidadão sorocabano a Jair Bolsonaro.

Após muita manifestação, com gritos de guerra e alguns tumultos - havia um pequeno grupo pró-Bolsonaro na Câmara -, os vereadores aprovaram a retirada de pauta do projeto com o compromisso de não retornar à votação antes das eleições deste ano.

"Foi uma grande vitória dos movimentos sociais de Sorocaba, que se organizaram e impediram que esse cara fosse homenageado em nossa cidade. Bolsonaro, que nunca pisou aqui, é um incentivador do ódio na sociedade e defende abertamente a violência contra as mulheres, os homossexuais, os trabalhadores e os negros", afirma o vereador e vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região Francisco França (PT).

A sessão ficou suspensa por uma hora devido às manifestações e gritos de guerra como “fascistas não passarão”. Um trabalhador chegou a ser retirado com violência após se envolver em uma discussão com um bolsonarista. O trabalhador recebeu chave de pescoço e saiu algemado da Câmara pelos guardas civis municipais. Já o seguidor do Bolsonaro saiu andando, apenas acompanhado pelos guardas.

De acordo com o secretário de organização do SMetal, Izidio de Brito, ex-vereador metalúrgico, Bolsonaro nunca contribuiu em nada com Sorocaba e não tem uma emenda sequer voltada para a cidade.

Em entrevista ao SMetal, o vereador pastor Luis Santos (PROS), proponente do título, justificou que é um direito dele de conceder o titulo a quem quiser. Ele afirma não concordar com todos os posicionamentos de Bolsonaro, mas com 90% deles. “Sou contra o kit gay na escola e ele tem 75% dos votos de Sorocaba”. Questionado sobre em qual pesquisa ele se baseia, o pastor afirma ser uma pagina do Facebook Sorocabanices, “nem sei de quem é o dono”.

“Declarado racista e homofóbico, Bolsonaro não pode ser homenageado em qualquer lugar que seja. Quem se diz democrata, mas age contra a democracia, não atua como cidadão”, afirma o presidente do SMetal, Leandro Soares.

Logo no início da sessão ordinária os vereadores aprovaram a retirada da pauta do projeto, com o compromisso do presidente da Câmara, Rodrigo Manga, de não retornar à votação antes das eleições de outubro. 

 

 

Fabiana Caramez com informação do SMETAL
Deixe seu Recado