Notícias

29-Mai-2020 15:01
PROBLEMA

Paulinho: "Se vai flexibilizar o isolamento, exigimos mais proteção aos trabalhadores em transportes"

Sindicato dos Rodoviários vê com preocupação e considera irresponsabilidade do poder público flexibilizar isolamento no momento de aumento de contágio e mortes pela Covid-19

2020, imprensa,
2020

O Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região vê com muita preocupação e considera uma irresponsabilidade a decisão do poder público de flexibilizar o isolamento social no momento que o número de mortes e de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus está em crescimento acelerado na Região Metropolitana de Sorocaba.

Se confirmar a decisão pela flexibilização, o Sindicato dos Rodoviários defende que a frota de ônibus em circulação nas cidades seja ampliada para evitar a superlotação dos coletivos e exige que as empresas e o poder público ampliem as medidas de proteção aos trabalhadores em transportes com a instalação nos ônibus de barreira de acrílico para proteger os motoristas, aferição diária da temperatura dos trabalhadores e testes em toda a categoria, além da máscara de proteção individual e do álcool gel que já estão em uso.

“Se os governantes irresponsáveis irão flexibilizar o isolamento social, exigimos mais proteção aos trabalhadores em transportes, como instalação de barreira de acrílico para evitar contaminação dos motoristas, aferição diária da temperatura e testes para a categoria”, afirma o presidente do Sindicato Paulo João Estausia.

Não é hora de relaxar

O Sindicato dos Rodoviários acompanha o posicionamento da CUT-SP (Central Única dos Trabalhadores) que não concorda com a flexibilização do isolamento social com a reabertura das atividades comerciais, pois isso coloca em risco a vida dos trabalhadores(as), que já são a maioria entre os óbitos pela Covid-19.

“É a paz de cemitério. Eles estão jogando os trabalhadores para se arriscar nas ruas porque, na verdade, hoje são os trabalhadores que estão morrendo, é a periferia que está morrendo. Na classe alta já não aparecem mais mortes. Quem está morrendo hoje é o povo”, explica o diretor da CUT-SP João Batista Gomes, Joãozinho.

Sorocaba e região

O número de infectados na região de Sorocaba está em pleno crescimento e, segundo dados oficiais, no dia 28 de maio, contabilizou 1562 casos confirmados da Covid-19 e 87 mortes. O número pode ser muito maior porque está subnotificado, visto que as prefeituras não estão fazendo testes na população e nem em quem tem sintomas leves da doença.

Em Sorocaba, a curva de contágio está em disparada e o poder público noticia os dados de forma fragmentada para dar a falsa impressão de que a pandemia está controlada. (veja os gráficos publicados no site da Prefeitura de Sorocaba)

A cidade tem 108 pessoas internadas com problemas respiratórios, principal problema causado pelo novo coronavírus, sendo 30 confirmados e 78 suspeitos. Os leitos de UTIs disponibilizados pelos hospitais para tratar os casos de Covid-19 também estão com alta ocupação, 80% dos leitos de UTIs dos hospitais públicos estão ocupados e, na rede particular, quase 50%.

2020, imprensa, Prefeitura de Sorocaba
Curva de casos divulgado no site da Prefeitura de SorocabaPrefeitura de Sorocaba

 

2020, imprensa, Prefeitura de Sorocaba
Boletim Epidemiológico divulgado no site da Prefeitura de SorocabaPrefeitura de Sorocaba
Para o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Paulo Estausia, os governos estão sendo irresponsáveis e fracos por se deixarem levar pela pressão empresarial e permitir que a vida da população seja colocada em risco extremo.

“Em todas as cidades do mundo, a abertura dos comércios e serviços não essenciais acontecerem apenas quando o número de doentes e de mortes estava diminuindo. Aqui os governantes estão abrindo quando a curva de contágio está crescendo. Uma irresponsabilidade que será cobrada judicialmente, se for preciso!”, afirma Paulo João.

O dirigente sindical afirma que entende e está solidário aos micros, pequenos e médios empresários e defende que os governos têm a obrigação de criar formas de assegurar a sobrevivência financeira desses negócios.

“As empresas, os trabalhadores, a população em geral, todos nós sempre pagamos impostos. Agora chegou a hora do governo usar esse dinheiro para salvar as empresas, os comércios e os serviços. Assim, o governo salva os empregos e a economia. Existe outro caminho que não leve à morte!”, pontua Paulo João.

O Sindicato dos Rodoviários irá continuar acompanhando de perto as ações governamentais e empresariais neste período de pandemia e não descarta a possibilidade de iniciar movimento para proteção da vida dos trabalhadores e trabalhadoras em transportes.

Segundo um estudo da da Funcional Health Tech, plataforma independente de dados do setor de saúde, o pico da Civid-19 no Brasil será no dia 6 de julho, quando o país chegará a 1,7 milhão de infectados. O estudo aponto que o pico no Estado de São Paulo será em 10 de julho, com 601 mil infectados. Os dados foram publicados nesta sexta-feira (29) pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo.

Fabiana Caramez, com informações da CUT-SP
Deixe seu Recado