Notícias

24-Jan-2020 21:08
URBANO SOROCABA

França: "Nosso desafio é assegurar o emprego de toda a categoria"

Assembleia com trabalhadores em transportes discutiu ações em relação à implantação do BRT, as licitações e segurança

2020, imprensa, Fabiana Caramez
Francisco França fala aos trabalhadoresFabiana Caramez

Defender o emprego da categoria diante da implantação do BRT em Sorocaba e das futuras transições no transporte especial e urbano após a finalização das licitações desses serviços é o desafio a ser enfrentado pelos trabalhadores em transporte urbano de Sorocaba no próximo período.

“A Prefeitura informa que o BRT deve entrar em operação ainda neste ano. Há uma avaliação que o BRT irá gerar 150 demissões só de motoristas na STU e pode gerar mais demissões na CONSOR. O Poder Público fala que irá gerar empregos, mas sabemos que o BRT terá grandes ônibus nas avenidas principais e pequenos para rodar os bairros, mudando o que existe hoje e diminuindo o número de ônibus em circulação, pois muitos não terão mais que ir até o terminal, irão apenas até a avenida principal do bairro. Por isso, nosso desafio é assegurar o emprego de toda a categoria”, explica o vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região e vereador em Sorocaba Francisco França.

Os impactos das mudanças na categoria com a implantação do BRT e o resultado das licitações no transporte especial e no lote 2 do transporte urbano de Sorocaba foram temas das assembleias realizadas pelo Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região nesta sexta-feira, 24, às 10h e às 18h, na sede da entidade em Sorocaba.

Licitação no lote 2 do transporte urbano

O Sindicato informou a categoria que o processo de licitação do lote 2 do transporte urbano será reaberto no dia 6 de fevereiro, quando as empresas interessadas em operar 50% do transporte urbano em Sorocaba irão começar a aparecer.

“Não sabemos se a STU irá querer continuar a operar o transporte, especialmente por causa do BRT, que irá alterar todo o sistema. Não sabemos também qual empresa irá ganhar a licitação. O que sabemos é que poderemos ter transição num futuro bem próximo e precisamos estar preparados para garantir o emprego de todos os trabalhadores e a manutenção dos direitos que conquistamos em lutas passadas”, salienta França.

O contrato de concessão da STU acabou em 2011 e, desde então, foi sendo prorrogado, mas agora chegou ao limite legal e o Poder Público não poderá fazer nova prorrogação.

2020, imprensa,
2020

Licitação no transporte especial

O então prefeito José Crespo, que sempre atuou contra os trabalhadores em transportes, antes de ser cassado, deixou um “presente de grego” para a categoria: a mudança na operação do transporte especial.

Hoje o transporte especial é operado pelas mesmas empresas do transporte urbano, ou seja, STU e CONSOR. Crespo fez um processo de licitação que impede as empresas do urbano operarem o especial, forçando a contratação de uma outra empresa, que pertence ao setor de fretamento.

A licitação do transporte especial já terminou e, a qualquer momento, a nova empresa pode começar a operar. Quando isso acontecer, o Sindicato dos Rodoviários irá lutar para que os trabalhadores desse transporte sejam absorvidos pela nova empresa. Uma perda já é dada, o salário do motorista de micro-ônibus no setor de fretamento é menor do que o do motorista no transporte urbano.

“As mudanças que estão por vir são grandes e irão afetar em cheio os trabalhadores. Por isso, é importante que todos estejam prontos para lutarmos por emprego e direitos!”, finaliza Francisco França.

O Sindicato dos Rodoviários acordou com os trabalhadores que irá convocar novamente a categoria assim que tiver novas informações ou que os processos de mudança de empresas sejam consolidados pelo Poder Público.

Fabiana Caramez
Deixe seu Recado