Notícias

28-Nov-2018 17:03
CÂMARA SOROCABA

Crespo quer criar mais cargos políticos e doar a área que era para hospital

O Sindicato dos Rodoviários não concorda com a doação de área do Hospital Municipal para empresa do BRT

Nesta quinta-feira, dia 29, a partir das 9h, os vereadores de Sorocaba terão 17 projetos de lei para votarem em primeira discussão. 

Entre eles, está o PL 169/2018, de autoria do prefeito José Caldini Crespo (DEM), que foi retirado de pauta, mas retorna para votação. Ele prevê a concessão de uma área pública, de 26 mil metros quadrados, para a iniciativa privada, para o sistema BRT.

Atualmente, utilizado pela Vigilância Epidemiológica de Sorocaba (Zoonoses) o terreno, que fica na Avenida Ipanema, foi adquirida pela Prefeitura de Sorocaba em 2013, ao custo de R$ 13 milhões, e estava destinada à construção do Hospital de Clínicas de Sorocaba.

O projeto já foi assunto de audiência pública, presidida pelo vereador Francisco França (PT), no dia 13 de agosto de 2018. Na ocasião, o vereador Francisco França lembrou que a construção do hospital público municipal mobilizou a sociedade, por meio de um projeto de iniciativa popular, com mais de 26 mil assinaturas, em prol da construção do hospital.

A vereadora Fernanda Garcia (PSol) também defende que a área, atualmente utilizada pela Zoonoses, seja para a construção do Hospital Público Municipal, conforme promessa eleitoral do então candidato José Crespo (DEM), no pleito de 2016.

“É uma falta de compromisso do governo com a população, falta de credibilidade do Secretário de Mobilidade e Acessibilidade, Luiz Alberto Fioravante, quando apresentou a tese de que o terreno estaria contaminado, sem nem ao menos entregar o laudo que comprovasse a contaminação. Solicitei por diversas vezes ao governo que me enviasse esse laudo, e nunca o recebi, então apenas posso concluir que ele não existe”, ressalta Fernanda.

A vereadora ressalta também que Sorocaba vive um momento difícil, “pois até agora nenhuma das promessas feitas foram cumpridas”.

Só no papel

A lista de promessas é grande. Fernanda enumera que José Crespo, eleito com pautas populares, prometeu:

- iria construir uma segunda unidade da Policlínica na Zona Norte

- diminuir o tempo de espera para 15 dias nas consultas aos médicos especialistas

- garantir vaga em creche para todas as crianças, zerando o déficit em Sorocaba

- remunerar adequadamente os professores, reduzir o valor do passe social para 70% do valor do vale-transporte

Entre outras promessas que não foram cumpridas em 23 meses de mandato. “Pelo contrário, os projetos enviados à Câmara Municipal de Sorocaba são de criação de cargos comissionados, criação de taxa de iluminação, na qual consultei a população e 99% foi contrária, todos estes que influenciam diretamente na renda da população sorocabana”.

Mais cargos políticos

Nesta quinta, dia 29, em sessão, serão votados também dois projetos enviados pelo prefeito para criação de 13 cargos comissionados e a média salarial desses cargos será de R$ 10 mil, o mais alto chega a atingir R$ 13 mil.

Para o secretário de organização do SMetal, Izídio de Brito, é fundamental que a população acompanhe essa sessão ordinária, para pressionar os vereadores a votarem contra essas pautas que não trazem benefícios à cidade. 

Além de Fernanda, outros vereadores que já anunciaram votar contra a criação desses cargos políticos estão: Iara Bernardi (PT), Renan Santos (PCdoB) e Francisco França (PT).

“Sou a favor de mais servidores que ocupem os cargos via concurso público, principalmente nas áreas da Saúde e Educação, para o atendimento aos cidadãos e não de mais comissionados para atender as alianças políticas do prefeito”, afirma Fernanda.

 

Imprensa SMetal
Deixe seu Recado