Notícias

09-Abr-2019 15:21
EDITORIAL

Bolsonaro ataca sindicatos para garantir vida fácil aos empresários e aprovar maldades contra os trabalhadores

Editorial: "Estamos em plena campanha salarial e esse ataque do governo coloca em risco nossos salários e direitos.”

2019, imprensa,
2019

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) está promovendo um verdadeiro desmonte dos órgãos de proteção aos trabalhadores. Em nenhum outro momento da história do Brasil, um governo atacou tanto as instituições criadas para defender o trabalhador, o emprego, o salário e os direitos trabalhistas.

O Brasil tem quase 13 milhões de desempregados, trabalho escravo e crescente subemprego, mas esse parece ser um problema secundário para o governo. Visto que Bolsonaro acabou com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), órgão que tinha a responsabilidade de promover políticas de geração de emprego e de fiscalizar o cumprimento das leis trabalhistas.

Como se não bastasse acabar com o MTE, o governo Bolsonaro quer acabar também com a Justiça do Trabalho e com o Ministério Público do Trabalho. Ele faz campanha permanente contra esses órgãos de defesa dos trabalhadores.

Para completar o quadro de ataques à classe trabalhadora, o governo publicou uma medida provisória e um decreto para tentar inviabilizar economicamente o funcionamento dos sindicatos.

O ataque contra as entidades sindicais acontece no momento em que o Congresso Nacional começa a analisar a proposta “reforma” da Previdência, que os sindicatos são contrários, pois significa a privatização da Previdência Pública e consequente fim do acesso dos trabalhadores a uma aposentadoria digna.

O governo quer impedir que os sindicatos mostrem aos trabalhadores a verdade sobre a “reforma” da Previdência e que organizem protestos em todo o país.

Outro objetivo de Bolsonaro é enfraquecer os sindicatos perante as empresas. Sem sindicato, o trabalhador ficará refém do poderio econômico do empresário, que poderá chantagear o trabalhador fazendo-o abrir mão de direitos e de salário para permanecer empregado.

Nós, trabalhadores e trabalhadoras em transportes, somos atingidos brutalmente por essa medida. Estamos em plena campanha salarial e esse ataque do governo coloca em risco nossos salários e direitos como tíquete-refeição, cesta básica, participação nos lucros e resultados, plano de saúde familiar entre outros.

Está mais do que evidente que o projeto do governo Bolsonaro para os trabalhadores é o sofrimento e o empobrecimento. Agora cabe a cada um de nós reagir a esses ataques, estar conscientes e não cair em fake news, permanecer firmes ao lado do Sindicato e dispostos a lutar por nossos salários, direitos e aposentadoria.

Diretoria do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região
Deixe seu Recado